Plano diretor. Como votou?

A Câmara aprovou em 30 de junho, em segunda e definitiva votação, o projeto do novo Plano Diretor da cidade de São Paulo, que define as diretrizes da política urbana do município nos próximos 16 anos.
Dos 55 vereadores paulistanos, 44 votaram a favor, 8 contra e 3 não votaram.
A vereadora Patrícia Bezerra votou contra.

Fonte: CMSP

Apitaço contra o abuso

A Comissão de Saúde da CMSP debateu em 23 de abril, a proposta da vereadora Patricia Bezerra (PSDB) contra os abusos à mulheres no transporte público através da criação do movimento: “Não agrida, apite”, inspirado em uma campanha de Recife.

Segundo a vereadora “as mulheres receberão um apito e quando se sentirem agredidas, apitarão. As demais mulheres vão apitar em solidariedade. Essa foi uma campanha feita no Recife para combater violência doméstica que teve um êxito enorme, inclusive com várias prisões em flagrante, e a gente quer trazer para cá esse modelo”.

Alargamentos de ruas para atender corredores de ônibus. Como votou?

A Câmara aprovou na tarde desta terça-feira (18/3), em primeira votação, o Projeto de Lei (PL) 17/2014, que altera os alinhamentos de diversas vias da cidade para a implantação de 17 corredores de ônibus. O texto original foi alterado por uma emenda que retirou a previsão de alargamento da avenida Nossa Senhora do Sabará, na zona sul, medida que vinha enfrentando a oposição de moradores e comerciantes da região.

O projeto do Executivo recebeu 36 votos a favor, 10 contra e 1 abstenção. O texto ainda precisa passar por uma segunda votação em plenário antes de seguir para a sanção do prefeito Fernando Haddad.

Para a oposição, no entanto, a medida não é suficiente. O PSDB tentou aprovar um substitutivo que contemplava o alargamento de apenas nove vias. “Nós queremos que o governo fatie o projeto. A solução é fazer os corredores que estão previstos no orçamento, que têm recursos. Não existe motivo para aprovar todos os alinhamentos agora se as obras começarão em anos”, declarou o líder dos tucanos, Floriano Pesaro.

Nabil Bonduki (PT) defendeu que a aprovação conjunta é importante para o planejamento da cidade, pois construções ou reformas precisariam seguir os novos alinhamentos desde já. “É uma precaução para que não seja construído algo que seja incompatível com o que está planejado para essas vias no futuro”, afirmou.

A vereadora Patrícia Bezerra (PSDB) votou CONTRA.

Fonte: Câmara Municipal de São Paulo

Salários abertas

O sítio da Câmara Municipal de São Paulo publica os salários e custos dos mandatos dos vereadores.

A seguir segue a remuneração dos servidores e comissionados no gabinete da vereadora Patricia Bezerra, referentes a janeiro de 2014.

—————

Detalhes da remuneração de PATRICIA GAMA DE QUADROS BEZERRA referente a 1/2014

 

Remuneração do mês

Remuneração bruta do mês*

R$ 15.031,76

Remuneração bruta

R$ 15.031,76

Contrib. Previd. (11% INSS)

R$ 482,92

Imposto de renda

R$ 3.075,94

Remuneração líquida

R$ 11.472,90

Crédito final ao servidor

R$ 11.472,90

Tempo de contribuição na CMSP

1 ano(s), 1 mês(es) e 2 dia(s)

 

* Remuneração bruta com desconto de afastamentos e faltas, limitada ao Teto Salarial conforme artigo 37 inciso XI da Constituição Federal, se não houver decisão judicial em contrário.

—————

Imagem

 

Imagem

Em primeira discussão

Em sessão plenária na Câmara Municipal de São Paulo, em 5 de novembro, foram aprovados 61 projetos de vereadores.

A vereadora Patrícia Bezerra (PSDB) teve dois projetos de lei aprovados em primeira discussão:

PL 515 /2013 –  Dispõe sobre o atendimento às famílias de crianças com doenças ou deficiências crônicas e dá outras providências.

PL 561 /2013 – Institui Plano Municipal de vacinação contra a gripe para doadores de sangue e dispõe sobre a administração da vacina na Cidade de São Paulo, e dá outras providências.

Como votou?

A Câmara Municipal de São Paulo aprovou, em definitivo, nesta terça-feira, 29 de outubro de 2013, o projeto que aumenta o IPTU da cidade. O projeto causou polêmica porque os reajustes serão de até 20% para imóveis residenciais e 35% para os demais em 2014. No total, foram 29 votos a favor e 26 contra.

A vereadora Patrícia Bezerra (PSDB) votou CONTRA o projeto de aumento.

Fonte: Folha de S. Paulo, 30 de outubro de 2013, p. C8